quinta-feira, 12 de julho de 2018

Tenho muitos espaços dentro de mim,
todos muito bem utilizados e organizados.
Não perco mais o meu tempo guardando
o que não me serve mais e
nem mesmo servirá em tempo algum.

Aline M. Abdalah
Instagram: @blog.bem.que.te.quero.bem




sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

PORQUE O CARNAVAL AINDA É UMA BOA ÉPOCA PARA SER FELIZ

Nascer carioca é nascer com a vontade de curtir carnaval incutida na alma. Não é vontade que dá depois que te influenciam. E muito pelo contrário, no início da vida as pessoas te podam, te limitam e te fazem acreditar que carnaval é tudo aquilo que você pode acompanhar pela televisão. Não é.
Nos meus primeiros anos, lembro de “curtir”o carnaval no interior do Rio de Janeiro, onde meus avós paternos moram. Minha mãe, toda zelosa que é, colocava em mim uma fantasia diferente em cada dia de “folia”, e me enfeitava toda, pra quê? Admirem-se! Para enfeitar a sala de estar! Porque dali, meu amor, eu praticamente nem saía. Era um tédio, assumo.
Só concordo que foi uma experiência proveitosa no sentido de conhecer o carnaval do ponto de vista da Sapucaí, tipo ativista de sofá. Aqueles carros alegóricos esplendorosos, luxuosíssimos; toda a purpurina do mundo presente num mesmo evento, plumas e paetês para esbanjar, e musas com corpos que toda brasileira merecia ter, mas nem sempre tem (inclusive eu). Eu assistia pela televisão, e também já assisti pessoalmente.
Posso dizer que carnaval não se resume em assistir, mas em participar e sentir. Não adianta o carnaval estar passando, e você não passar por ele. Aí se tornaria época comum, cheia de afazeres inadiáveis e preocupações estarrecedoras. É depois do carnaval que o ano realmente começa. Então use esses dias para recarregar as forças e energia boa que o resto do ano tende a sugar.
É época de acordar e ir levando o dia sem ter hora para dormir de novo. É nem dormir, mas cochilar só enquanto o celular está carregando. É não perder tempo escovando o cabelo, porque você vai pingar de suor embaixo do sol. É esquecer de almoçar e descobrir que só tomar um milk-shake na rua não te tira a fome. É aprender os seus limites como um todo: de álcool, de andar a pé, de segurar o xixi, de fazer amizade na fila do banheiro químico, de sentar na areia porque não consegue mais ficar em pé, de ser feliz em um metrô lotado voltando pra casa depois de um dia feliz e mega cansativo. É anotar um contato na agenda e depois não saber de quem era. É depois ligar pro número pensando que vai desencalhar, e descobrir que é só o telefone da pizzaria que você queria saber se entregava no meio do bloco. É aprender que colegas distantes podem ser amigos de carnavais e se divertirem muito juntos. É ter limites de conduta, mas não ter limites para ser feliz. Sim, isso é plenamente possível! Lembrando que tudo, absolutamente TUDO, consegue ser romântico dependendo do ponto de vista.

(Aline M. Abdalah)

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Pessoas não devem ser descartáveis, devem ser interessantes. Cuide bem de quem só te quer bem.


Em matéria de amor correspondido, meus amigos, não existem tolices nem devaneios. Não se intimidem, continuem! Continuem provando a todo segundo, das maneiras mais desvairadas, que dentro das veias correm sentimentos. E se aprofundam pensamentos, sonhos, manias, ousadias, que para serem concluídos precisam ser vividos a dois.

Ame, ame muito mesmo, mas não a ponto de enlouquecer e perder a razão. O amor também é feito de razão, e precisa de pé no chão. O juízo que não deixa chegarmos atrasados no trabalho todo dia porque foi difícil largar o outro sozinho na cama; o juízo que não nos permite arrancar a roupa do outro no meio da rua depois de longas horas de saudade. Ahhh, o ranzinza do juízo, velhinho danado e cheio de razão! Queria eu não saber que ele existe e deve ser usado! Ser ousado é tão mais convidativo que ser conservador quando falamos de amor.

Fique com alguém que não tenha dúvidas, fricotes, nem medo de se envolver, tão pouco dívidas afetivas com outro alguém, muito menos feridas abertas que você não será capaz de curar nem com extremo afinco e dedicação. Se o passado ainda o prende, o caminho será tortuoso demais para quem preza um futuro sereno e pleno.

Fique até mesmo com alguém que tenha um passado cheio de erros, mas sem nenhum fantasma. Que seja bem resolvido a ponto de te assumir! O amor é uma questão de atitude. Não adianta dizer que ama e não fazer nada de útil e intenso para construir uma relação duradoura e insubstituível.

Pessoas não devem ser descartáveis, devem ser interessantes e se fazerem presentes pra vida toda. Não sejamos só momentos passageiros na história um do outro, isso é fácil demais! Ser novidade é fácil demais. Difícil é ser interessante todos os dias por 50 anos, já pensou nisso?! Ser legal hoje é fácil demais, mas e amanhã? E quando as contas chegarem? E quando estiver doente, exausto e sem paciência? Só o amor constrói e une! A pessoa tem que querer fazer dar certo e resolver que não provocará traumas, que definitivamente não está ali para acender torturas emocionais nem para deixar sequelas irremediáveis. Cessemos as dores, o mundo já está cheio delas!

Nós nos apaixonamos perdidamente pela forma como nos tratam. E também nos desapaixonamos pelo mesmo motivo, com a mesma intensidade. Gosto à beça desse paradoxo. Cuide bem de quem só te quer bem! E deixe os outros, que por ventura aparecerem descompromissados, de lado.

(Aline M. Abdalah)

domingo, 30 de julho de 2017

Os Segredos da Retórica Masculina

Como identificar um cafajeste se nem sempre estará estampado na testa ou na blusa do sujeito que se faz de merecedor da Dama, mas não passa de um vagabundo???

É simples! Fique atenta aos sinais... Ninguém se esconde atrás de uma máscara por muito tempo. As atitudes revelarão as verdadeiras intenções do rapaz e cabe a você julgar se quer o mesmo que ele ou não. Sustente apenas o relacionamento que você acha que merece!

























Obs.: A pitada de humor ácido que eu apliquei faz com que você não precise levar ao pé-da-letra cada publicação. É preciso ter discernimento, afinal cada uma de nós, mulheres, sabe onde está "amarrando o bode"! Quero deixar isso bem claro porque para toda regra há exceções...

FICA A DICA:





Os MITOS que cercam os IMPLANTES DENTÁRIOS

       São muitos os mitos que minam a cabeça do paciente que deseja ter a sua boca reabilitada. O implante devolve função e oferece estética muito apreciável. Perca seus medos ao conhecer abaixo o que não passa de mito. 

“O ORGANISMO PODE REJEITAR O IMPLANTE.”
MITO.
Os implantes são feitos de titânio, material que possui compatibilidade biológica com o tecido ósseo. Os insucessos (que são raros) podem ocorrer devido a problemas na cirurgia, no pós-operatório, processo infeccioso, pela má qualidade óssea ou problemas mecânicos relacionados à prótese, mas não por rejeição.

“PACIENTES QUE NÃO TEM OSSO NÃO PODEM RECEBER IMPLANTES.”
MITO.
Podem, mas precisam de um trabalho anterior (enxerto) à colocação do implante ou até mesmo durante a colocação do chamado implante imediato. Se a necessidade for de uma quantidade pequena de osso, pode-se retirar da própria boca (da região do queixo ou do túber). Se a necessidade de osso for grande, será necessário retirar da crista do osso ilíaco, da calota craniana ou da tíbia. Há também a possibilidade de preenchimento com biomaterial.

“BRUXISMO NÃO VAI ME ATRAPALHAR A IMPLANTAR DENTES.”
MITO.
Pacientes com bruxismo deverão realizar tratamento especializado para controle, já que a sobrecarga oclusal nos implantes pode acarretar sérios problemas na sua estabilidade e dos componentes protéticos. Os hábitos de apertar ou ranger os dentes contraindicam a colocação do implante.

“DÓI COLOCAR IMPLANTES.”
MITO.
Não, a colocação de implantes é muito tranquila em relação à dor. A anestesia é local. Quando chegamos ao osso, a dor não ocorre, pois osso não tem inervação. O pós-operatório é sereno, com uso de analgésico, antibiótico, antiinflamatório conforme receitado pelo implantodontista.


“IMPLANTES SÃO MAIS INDICADOS PARA IDOSOS.”
MITO.

Os implantes são a melhor opção para quem perdeu um dente. Reforçando que para pacientes jovens é importante esperar o término do crescimento ósseo que acontece no sexo feminino entre os 17/18 anos e no masculino com 18/19 anos. Existem exames específicos para aferir essa situação.

“O IMPLANTE SEMPRE DEIXA UM ASPECTO ARTIFICIAL.” 
MITO.

A partir do momento que é feito um planejamento correto do caso, observando todos os detalhes envolvidos, a técnica de implante preenche todos os requisitos estéticos e funcionais.

“QUEM USA DENTADURA NÃO PODE COLOCAR IMPLANTES.” 
MITO.

Pacientes que usam dentadura não só podem, como devem colocar implantes, desde que possuam osso (ou possibilidade de enxerto ósseo) e saúde para isso. Atualmente esta é a melhor opção para quem perdeu um ou mais dentes.

“IMPLANTES AUMENTAM OS PROBLEMAS DE INFLAMAÇÃO NA GENGIVA.” 
MITO.

Os problemas de inflamação da gengiva são de origem multifatorial, ou seja, fatores associados a bactérias da cavidade oral, má higienização, entre outros. O paciente para receber implantes deve ter a saúde oral perfeita. E assim deve continuar. A partir do momento que os implantes forem instalados, o paciente deve receber acompanhamento profissional e realizar consultas de revisão.

“POR SER UM DENTE ARTIFICIAL, NÃO PRECISO HIGIENIZAR.”

MITO.



A saúde bucal deve estar em dia sempre. Por estar instalado na gengiva e no osso, a higienização é fundamental. A correta higienização da área ao redor do implante é primordial para a manutenção da saúde periodontal e peri-implantar. A não observação e cumprimento deste critério é a principal causa da perda dos implantes. A infecção peri-implantar é chamada de Peri-implantite.